© 2018 por Débora S. SIlva. Orgulhosamente criado com Wix.com

Compartlhe com seus amigos

Resenha de Infinito + um da Amy Harmon

August 29, 2018

Infinito + um — Amy Harmon

Editora Verus, 334 páginas

Nota: 5/5
Adquira em: AMAZON - SARAIVA - SUBMARINO - LOJAS AMERICANAS

 

 

Olá, pessoas estranhas, normas e não tão estranhas assim!


Essa resenha é super especial para mim, pois se trata de um dos livros que eu mais amo! Infinito + um, livro da autora Amy Harmon, é um romance que eu tenho realmente gosto em ler e reler. Dramático e gentil em cada ação dos protagonistas, conquistando muito espaço no meu coração.

 

 
Bonnie Ray Shelby é uma cantora country, famosa e cheia de fãs, lota cada show que faz. Escreve suas próprias músicas, sorri no palco e conquista corações. Tem um guarda-costa superprotetor que se transformou em seu melhor amigo e uma avó que controla seu dinheiro. Mas, Bonnie tem o coração despedaçado pela morte de sua irmã gêmea, sua outra metade que fez promessas de realizarem tantas coisas juntas, e por quem começou a cantar para ganhar dinheiro. 

 

 
Agora ela deseja, mais que tudo, é se juntar a irmã. Desistir de cada coisa que conquistou e rever sua irmã. Porém, no dia em que está prestes a realizar a tão sonhada libertação, surge Infinity Clyde para impedi-la de tirar a própria vida. Clyde é um ex-presidiário, alto e loiro, que só quer conseguir um emprego que possa pagar uma casa e comida, é por isso que está indo para Las Vegas. Lá ele vai poder, não de forma justa, usar seu incrível potencial para a matemática e ganhar dinheiro para sobreviver. Mas conhecer Bonnie vai virar sua vida de cabeça para baixo e mudar todos os seus planos.


Ao final do salvamento Clyde é convencido a dar uma carona para Bonnie até Las Vegas e que durante o caminho ela pode pagar por tudo que eles precisarem. Mas a polícia foi avisada de que Bonnie não fugiu e, sim, foi sequestrada! Agora Clyde não é apenas um ex-presidiário como também um fugitivo com refém. Nessa confusão toda os dois decidem que irão se separar ao final da jornada, mas quem disse realmente conseguirão ficar longe um do outro?

 

"— Achei que você tinha gostado. Você...me beijou.

 

— Eu te beijei porque foi lindo e você me faz sentir... — Ele interrompeu as palavras, sua voz um sussurro rouco. — Você me faz sentir...coisas malucas. Coisas desesperadas. Coisas impossíveis. Você me faz sentir. E sentir tudo isso é irresistível. Você às vezes é irresistível."

 


A cada ponto que passam pelo país no carro velho de Clyde eles conhecem um pouco mais de cada um. E a cada ponto eles conhecem a história de mais uma pessoa e a ajudam com todo coração, distribuindo a bondade que eles tem dentro de si mas que nunca alguém realmente os deu. Os segredos, ambições, o modo de pensar são todos desvendados um pelo outro. Bonnie se realiza cantando e suas palavras saem letras e letras de música. Clyde se expressa em números, tudo para ele é pura matemática. Eles se descobrem, cada um com suas perspectivas, um novo modo de viver a vida, sem lágrimas ou lamentações. 



Primeiro o surgimento de uma atração e, lentamente, o amor entre eles surge e, para mim, é inexplicavelmente lindo!! É fofo, protetor e carinhoso, apaixonante. Ele procura modos de sempre mantê-la a salvo e, normalmente, cai na tentação de realizar todas as boas ações que Bonnie deseja fazer. Bonnie procura algo para se manter firme em seu lugar, uma âncora que a faça viver a cada dia e ao querer fazer Finn sorrir ela acha essa vontade de continuar aquilo que ama, cantar. E Clyde procura redenção pelos maus atos comedidos a anos atrás.

 

 

 



Me tira o fôlego falar sobre essa relação entre esse livro. Os fatos são tão reais e naturais. As coincidências se tornam verdadeira parte do destino como, por exemplo, seus nomes lembrarem ao dois antigos fugitivos e bandidos que escaparam pelo país, Bonnie e Clyde. Sobre parte técnica, foi com ele que li pela primeira vez a mistura de primeira e terceira pessoa, o que fica incrível, sendo retratado de diversas formas as cenas e os diálogos. Não vemos os dois apenas por um ângulo, mas sim por diversos o que causa ainda mais emoção quando reparamos o quanto eles se importam um com o outro!

 

"— Quanto é infinito mais um? — interrompi Katy, fazendo Finn minha própria pergunta.

— Ainda é infinito — respondeu ele, com um suspiro.

— Errado. É dois.

— Ah, é? Como foi que você chegou a essa conclusão?

— Infinito — disse eu, traduzindo o nome "Infinity" e apontando para Finn — Mais um. Ou seja, dois, gênio

— Eu queria muito não ter te falado o meu nome."


Espero que tenham gostado da resenha e que eu tenha consegui passar pelo menos metade do amor que sinto por esse livro. Convencer vocês a lerem e se apaixonarem também! Um beijo e até...

Please reload

Blogueira

Débora S Silva é uma universitária de 20 anos cuja diversão maior é a leitura de comédias românticas e aventuras. Escreve desde os 15 e geralmente são histórias bem humoradas com toques sutis de romance e fofura. Busca sempre mostrar o lado de sua leitura com gentileza e sinceridade

  • Google+ ícone social
  • skoob
  • Amazon ícone social
  • YouTube ícone social
  • Instagram ícone social
  • Wix Facebook page
  • Wix Twitter page
Colaboradora

JéssicaMiranda 

tem vinte e um aninhos e é canceriana. Ama ler e é apaixonada por doramas. Otaku desde que se lembra e grande apreciadora da cultura nerd e, agora, resenhista do blog NTEA.

Inscreva-se
Conheça o canal
Minhas Redes
43595725_2365355753481017_25798961321130

Me adicione

Instagram
Please reload

This site was designed with the
.com
website builder. Create your website today.
Start Now